Ásia

templos com pinturas de pênis e outras lendas do Butão

Nosso segundo dia no país da felicidade interna bruta, de belas paisagens e cultura cuidadosamente mantida foi entre Thimphu e Punakha.

No caminho até Punakha saindo de Thimphu, paramos no Dochula Pass, que oferece uma vista panorâmica de 360 graus da cordeira do Himalaia, que seria mais apreciada se não estivesse aquela neblina densa. Este monumento é feito de 108 “chortens” construídos pela Rainha Mãe em homenagem aos soldados butaneses que morreram na luta contra os rebeldes indianos em 2003.

Butão Thimphu Dochula Pass

Butão Thimphu Dochula Pass

Butão Thimphu Dochula Pass

Mas o que é um chorten? É a versão tibetana da “stupa” (ou estupa), um monumento religioso, usado para armazenar relíquias budistas. Existem oito tipos de stupas que simbolizam os acontecimentos mais importantes da vida de Buddha.

Punakha foi a capital do país até 1955 e é até hoje onde fica a casa de inverno do abade principal do Butão.

roteiro no Butão

É em Punakha onde está o famoso Chimi Lhakhang, (lhakhang quer dizer monastério ou templo em butanês, portanto você vê muitos lhakhangs por lá), um monastério budista com uma história curiosa.

Punakha templo Chimi Lhakhang pinturas de pênis lenda Butão

Construído em 1499, o templo foi então benzido pelo “louco divino”, o “santo rebelde” Drukpa Kuenley que construiu um chorten no local que tem muitas lendas no Butão.

Chimi Lhakhang é conhecido como o templo da fertilidade. Milhares de pessoas visitam-no para pedir proteção para seus filhos, rezar por mulheres que não conseguem engravidar e para obter a fertilidade. Existem anedotas de turistas que visitaram o templo e no mesmo ano engravidaram. Tem também os que vão até lá para escolher o nome dos seus filhos.

Punakha templo Chimi Lhakhang pinturas de pênis lenda Butão

Punakha templo Chimi Lhakhang pinturas de pênis lenda Butão

No templo encontramos este aprendizes de monge em sala de aula. A parte do templo onde está o santuário e onde as oferendas são deixadas não são permitidas fotografias.

O curioso é que tem muitos desenhos e pinturas de pênis no templo, nas casas do vilarejo (e em diversos lugares do Butão). Diz a lenda que Drukpa Kunley lutou e venceu um espírito do mau ou demônio com seu pênis e o aprisionou no local onde hoje está o chorten.

Punakha templo Chimi Lhakhang pinturas de pênis lenda Butão

Punakha templo Chimi Lhakhang pinturas de pênis lenda Butão

Quando Drukpa Kuenley chegou no Butão ele ouviu falar de um outro demônio (que dizem que era feminino) que morava onde fica hoje o Dochula Pass e aterrorizava todos que passavam por lá e o povo dos vilarejos ao redor. Drukpa Kuenley procurou a tal “demônia”, decidido em destruí-la. Percebendo o poder de Drukpa Kuenley, ela se transformou em cachorro para se disfarçar. O sagaz Drukpa Kuenley reconheceu-a, matou-a e enterrou-a em uma montanha que diziam ter o formato de um seio feminino e disse “Chi-med” (cachorro não) e construiu um chorten no topo desta montanha.

O primo de Drukpa Kuenley depois construiu um templo em homenagem a ele chamado Chhime Lhakhang.

Drukpa Kuenley era conhecido como “santo louco” e “rebelde divino” pelas suas formas não ortodoxas, não convencionais e irreverentes de ensinar o budismo através de cantoria, piadas e comportamentos sensuais. Inconformista que era, ele achava que a rigidez dos monges não deixavam as pessoas entenderem os reais ensinamentos de Buddha. Ele queria quebrar paradigmas e preconceitos.

IMG_2259 v2

Punakha templo Chimi Lhakhang pinturas de pênis lenda Butão

Punakha templo Chimi Lhakhang Butão

Para chegar em Chimi Lhakhang, é uma caminhada leve, passando pelos arrozais. Fizemos isto depois de comer um almoço na Chimi Lhakhang Cafeteria, que serve a comida gostosa e caseira em estilo buffet com vista.

Punakha templo Chimi Lhakhang Butão Chimi Lhakhang Cafeteria

Punakha templo Chimi Lhakhang Butão Chimi Lhakhang Cafeteria

Depois andamos pelo vilarejo, passando por casas dos moradores locais e encontramos mãe e filhas fritando um tipo pão feito de farinha de arroz levemente crocante. Todos nos receberam abertamente, com um sorriso, um pouco de vergonha, um tanto de curiosidade, mas sempre muita paz no ar.

Punakha roteiro Butão

Punakha roteiro Butão

Punakha roteiro Butão

De lá seguimos para o majestoso Punakha Dzong, também conhecido como palácio da felicidade. Este é o segundo maior dzong (fortaleza ou palácio) do Butão. Construído no oitavo dia do oitavo mês do ano do boi, o Punakha Dzong foi o centro administrativo e sede do governo até 1955, quando a capital mudou para Thimphu.

IMG_2315 v2

Punakha Dzong roteiro Butão

A estrutura de arquitetura típica butanesa tem seis andares e um belo pano de fundo montanhoso.

IMG_2335 v2

Phunakha Dzong Butão

Phunakha Dzong Butão

A próxima parada foi o Tashichoe Dzong ou dzong de Thimphu.

No norte de Thimphu, a beira do rio Wang Chu, está o monastério Tashichoe, tido como o edifício mais imponente e importante do país. Ele é sede do governo e residência de verão do rei. O pátio da fortaleza, que abriga o quarto do trono do rei, é aberto ao público durante o Thimphu Tshechu, festival budista em homenagem ao guru que trouxe o budismo ao Butão.

Ele não está localizado no alto de um montanha como outros dzongs, mas de longe já impressiona. Ao me deparar com as torres e atravessar o pátio me surpreendo ainda mais. Me sinto pequena e ao mesmo tempo abraçada pela torre que hipnotiza meu olhar pelas estampas nas janelas, portas e paredes.

Uma curiosidade é que a fortaleza, como muitas outras do país, não é a original. Muitos foram devastados por incêndios. A terrível combinação de construções de madeira com as lâmpadas de manteiga resultaram inúmeras vezes em incêndios.

Aguardem os demais posts deste pequeno reinado encantador no Himalaia.

roteiro Butão

roteiro no Butão

Minha viagem no Butão (roteiro, guias e visto) foi feita com a Dharma Adventures.

3 thoughts on “templos com pinturas de pênis e outras lendas do Butão

    • oi Rapha, para entrar no Butão, você tem que fazer um pacote com uma operadora local para obter o visto, então você já faz um pacote com hotel, guia e transporte. então é super tranquilo. não é uma viagem barata, mas vale cada centavo! bjo

    • foi tranquilo porque você está sempre acompanhado de um guia com um carro. Para conseguir o visto e entrar no país você tem que fazer um pacote com acomodação, transporte e guia.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


eight − 1 =

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>