china

o que ver em Macau, China

No ponto cego da China, escondida na costa sudeste do dragão gigante está a pequena cidade de Macau. Do outro lado da notória Hong Kong, dividas pelo rio das Pérolas, ela pode ser a prima mais esquecida, mas não necessariamente a prima pobre.

Com arranha céus, luzes, cassinos, shoppings e hotéis de luxo, Macau é quase uma “attention whore” – expressão em inglês pra quem faz de tudo por atenção, ou prostituta de atenção. Desculpem meu linguajar.

A questão é que Macau é Las Vegas wannabe, não há como esconder, mas tem seu lado português (foi colônia portuguesa durante mais de 400 anos e devolvida em 1999) e convenhamos, geograficamente estamos na China – ou seja, tem chineses e todos falam cantonês. Só não achei ninguém que falasse português (ok, encontrei 2 pessoas).

Cheguei em Macau com poucas expectativas. Odeio cassino, acho aquelas luzes e opulência de uma cafonice sem tamanho, não faço questão de ver as enormes fontes do hotel Wynn e ando sem paciência para o consumismo. Ou seja, o lado Las Vegas de Macau não me atraía. E quando digo Las Vegas, não é exagero – shoppings, cassinos e até os mesmos hotéis (Wynn, MGM, Venetian…)

Eu precisava percorrer o lado sino-luso histórico gastronômico da cidade. E foi o que eu fiz.

 

Então aqui vão algumas coisas para fazer e o que ver em Macau:

 

Ande pela centro histórico da cidade.

Patrimônio Cultural pela UNESCO, o centro histórico é o resquício da antiga Macau e reflete sua herança multicultural. A arquitetura européia e cristã está ao lado da chinesa e budista, com templos, igrejas, prédios do governo e praças.

 

Comece na Praça Senado, com o chão de pedras portuguesas, fonte e edifícios neo-clássicos. Ela é cheia de turistas, sim, mas ali começa um bom passeio.

 

Passe pela Igreja de São Domingos pra se sentir em outro continente por alguns instantes. Na verdade ela não é obra portuguesa, foi fundado por padres mexicanos.

Siga até o Largo da Sé, onde fica a Igreja da Sé.

Desça a Travessa da Sé até ver a mansão Lou Kau, uma das poucas mansões chinesas que ainda existem em Macau.

Voltando pra Igreja de São Domingo, siga a direita e suba a Rua São Paulo.

 

A Rua São Paulo que dá nas ruínas de São Paulo, o cartão postal da cidade, tem coisas deliciosas pra comer.

Prove um pastel de nata na Pastelaria Koi Kei.

Prove as carnes secas de vaca, porco e galinha nas diferentes lojas.

Prove os doces/biscoitos de amêndoas.

Prove o espetinho com bolinhos de peixe.

Prove o chá com leite gelado e bolas de gelatina (tapioca milk tea).

Nesta rua e nas perpendiculares, está a cultura chinesa – ruas estreitas, comida de rua e lojas administradas por famílias há séculos com coisas inidentificáveis à venda.

 

Logo embaixo das ruínas de São Paulo tem duas lojas com acessórios e objetos de design muito bacanas, a MOD

e a Macau Creations (Rua da Ressurreição 5A), elas ficam em lados opostos.

 

Veja as ruínas de São Paulo. O antigo complexo tinha a faculdade de São Paulo e a Catedral de São Paulo, construída pelos jesuítas em 1582 e na época era uma das maiores igrejas da Ásia.

Ao lado das ruínas de São Paulo está o templo Na Tcha, um templo budista e taoista dedicado a divindade Na Tcha, o deus criança das guerras. Pequena e simples, dizem que ele foi construído para acabar com a praga da época.

 

Do outro lado você pode subir a Fortaleza do Monte e ir até o Museu de Macau, que conta a história da cidade, a colonização e suas culturas.

 

Em outras redondezas…

Casa Garden é uma mansão de um português que virou escritório da famosa empresa East India Company.

O Jardim de Camões é um parque público com uma praça embaixo e pessoas da melhor idade vendo a vida passar (assim como leitores de mão). O parque é bem verde, ideal pra fazer caminhada ou ver o povo fazer tai chi chuan.

 

O templo A-Ma é um dos mais antigos da cidade, faça uma fezinha acendendo incensos e colocando nos vasos com seus pedidos. O templo é dedicado a diferentes divindades do Budismo, Taoísmo e Confucionismo. To estudando a diferença até hoje.

 

O Albergue SCM é um conjunto de casas coloniais, antiga residência de mulheres solteiras, hoje tem lojas e galerias de arte. Não deixe de ver as lindas coisas portuguesas na loja Mercearia Portuguesa, tem sabonetes, azeites, vinhos, artesanato – tudo lindo. Nas ruas ao redor do Albergue SCM tem outras galerias de arte e moda.

 

A Fortaleza Guia pode ser subida de bondinho, mas se quiser fazer exercício, suba a pé e veja a vista da cidade lá de cima. Tem um farol e uma pequena capela pra ver ao chegar no topo.

 

Em outra ilha, Taipa, tem a rua do Cunha, perfeita pra seguir comendo. São lojas e restaurantes, uma do lado da outra. Vale a pena andar com calma por ali e continuar saboreando Macau.

 

Em uma rua perpendicular a rua do Cunha está um dos melhores restaurantes portugueses da cidade, o Antonio. Bacalhau, pão, queijos e vinhos são deliciosos neste restaurante. Contarei mais sobre o Antonio em outro post, a experiência merece detalhes.

 

Outro lugar charmoso pra comer ou tomar chá é no restaurante Terrace, na Pousada de São Tiago (Avenida da Republica, Fortaleza de São Tiago da Barra) que acabei não indo, mas foi indicada por amigos que moram em Hong Kong.

Tem uma coisa da faceta Las Vegas de Macau que eu gostaria de ter visto, o show The House of Dancing Water – que mistura dança a acrobacia em uma piscina, tipo o O do Cirque du Soleil. Dizem que é lindo.

Para os mais aventureiros – tem bungee jump da Macau Tower.

Apesar dos preços estarem subindo em Macau a medida que ela vai se tornando um centro de compras, cassinos e shows, ela é mais barata que sua vizinha Hong Kong.

 

Terminei minha estadia em Macau feliz e satisfeita. Minhas baixas expectativas foram surpreendidas com uma boa dose de descobertas históricas e gastronômicas. Recomendo. Eu passei quatro dias lá e foi o suficiente.

 

Como chegar:

A maneira mais fácil é ir de ferry do píer de Hong Kong ou direto do aeroporto de Hong Kong. O ferry custa em média US$22, mas tem diferentes classes.

A forma mais rápida é de helicóptero, mas pra que, né?

 

Aonde ficar:

Hotéis de luxo:

Mandarin Oriental Macau

Four Seasons Macau, Cotai Strip

 

One thought on “o que ver em Macau, China

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


five × 1 =

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>