Ásia

o que fazer em Luang Prabang, Laos

Chego na silenciosa Luang Prabang e imediatamente sinto uma paz e uma calmaria reconfortante. Eu vinha de Hanói, onde as buzinas, escarros e rápidos movimentos podem ser estressantes. Este antídoto era exatamente o que precisava.

Luang Prabang é mais um vilarejo do que uma cidade e este é (um dos) aspectos que me fizeram cair de amores por ela. Este pequeno pedaço de terra com vegetação abundante numa região montanhosa do Laos é rodeado pelas águas barrentas dos rios Khan e Mekong. Uma selva de montes verdes abraça a cidade por cima dos rios. Esta geografia e calor úmido me dão uma sensação de isolamento.

Eu já tinha lido sobre os dias sangrentos de guerra do Laos, mas ao chegar em Luang Prabang descubro uma estatística grosseira e cruel – o Laos é o país mais bombardeado per capita da história. Conversando com Tiao Nith, o primeiro integrante da família real a voltar ao país, ele me conta sobre as depredações da guerra e repressão política dos comunistas que fizeram do Laos um lugar difícil e assustador de visitar durante décadas. Olho ao meu redor, sentindo aquela placidez e vejo que novos dias raiaram no Laos, e que apesar da falta de algumas liberdades, dias serenos chegaram. Só espero que o turismo em massa demore de chegar e que não se transforme em enxames de turistas e vendedores locais como vi no Vietnã.

Contemplo esta beleza complexa, que ainda tenho muito o que descobrir e a cada dia me apaixono mais pelo país. Ainda quero ler o livro Bamboo Palace do autor Christopher Kremmer, indicado por minha amiga Camille pra conhecer melhor este passado obscuro.

Mas aqui estão algumas das atividades e lugares que fizeram adorar Luang Prabang:

Participar do ritual Ronda das Almas

Todas as manhãs, a partir das 5:30, fieis locais vão às ruas para fazer caridade para os monges budistas. Eles doam comida (e as vezes dinheiro, mas é menos comum) para os monges e noviços que terminaram de meditar e saem dos templos para coletar esta caridade. Ver o sol nascer e participar deste cerimonial me conectou à comunidade e me deu muita paz. Existem algumas regras para que os turistas não invadam ou distorçam o ritual. Todos devem usar roupas modestas (ombros, peito e pernas cobertas) e usar um lenço sob o ombro esquerdo. Ajoelhados ou em pé e em silêncio, porções de arroz são servidas para cada monge. Durante o ritual não se deve tocar nem fotografar. Se você não está participando, não chegue muito perto nem fotografe de perto. Não use flash.

 

Participar da cerimônia Baci

A cerimônia ‘Sou Khouan’ ou ‘Baci’ é um ritual com influencia Brâmane onde suas almas são abençoadas e apaziguadas. Com um prato de oferendas no centro, uma espécie de xamã (não são monges) canta mantras e faz rezas e depois amarra cordões de algodão nos seus pulsos e te dão uma flor enrolada em uma folha de bananeira para dormir ao seu lado. Outro lindo ritual de muita paz. Eu fiz este ritual no hotel Amantaka, pois é difícil participar nos templos.

 

Ioga e/ou drinques no bar Utopia

Sim, o bar Utopia é cheio de turistas e mochileiros, mas é uma boa oportunidade pra conhecer gente ou apenas relaxar com a vista do rio em um ambiente meio hippie. O bar fica aberto o dia todo e você fazer ioga pela manhã ou à tarde, comer e beber. A noite fica mais badalado, mas fecha cedo, como tudo em Luang Prabang.

 

Compras de artesanato no Night Market (Mercado da Noite)

O Laos tem lindos artesanatos que são compras tentadoras. As estampas, costuras, sedas, almofadas, bijuterias, lenços e bolsas são lindas. Sente num banquinho baixo e negocie com os vendedores.

 

Comida de rua no Food Market (Mercado de Comida)

Numa rua estreita, perpendicular ao Night Market está o Food Market, com barracas de comidas locais de todos os tipos. Não se amedronte com o fato de ser comida de rua. Comi lá quase todos os dias (assim como todos os turistas) e não tive nenhum problema. Tem rolinhos, grelhados, noodles (macarrão Asiático), doces, sucos de frutas e muitas coisas deliciosas. Bom, bonito e muito barato, mas quente e em alguns lugares com fumaça que vai deixar sua roupa fedendo a comida.

 

Andar de bicicleta

Eu aluguei uma bicicleta e foi a melhor coisa que fiz. Olhamos os preços das motos e vespas, mas comparado com o Vietnã eram bem mais caros. O aluguel de bicicleta era no máximo US$5 por dia enquanto a moto era US$15-20. A cidade é ótima pra pedalar – é pequena, o trânsito não é caótico e todos respeitam as magrelas. Portanto, vá e vá de bike.

 

Cerveja e grelhados na beira do rio

O rio é beirado por vários bares e restaurantes. A cerveja nem sempre é gelada, mas sempre tem gelo. Eu sei, é uma heresia e uma ofensa para um brasileiro, mas é o jeito Lao. Em muitos restaurantes tem peixe grelhado pra beliscar. O pôr do sol é o horário mais bonito.

 

Passeio de barco pelo rio Mekong e ver a caverna e templo Pak Ou Cave

Navegue lentamente as águas marrons do Mekong. Melhor ainda se for no barco privado do hotel Amantaka, com drinques e petiscos à bordo, deitado no almofadão, mas também tem barcos comuns e tuk-tuks pra levar turistas. A Pak Ou Cave é uma caverna / templo visitada por peregrinos oferecendo estátuas de Buda por centenas de anos, são cerca de 4,000 estátuas de diferentes tamanhos. Com uma pequena doação você pode ascender um incenso e aproveitar para rezar e agradecer.

 

Visitar templos budistas

Se você já está viajando pela Ásia, é capaz de estar um pouco cansado de visitar templos, mas eu até agora não cansei. São lugares de arquitetura e arte de extremo detalhe e onde tenho momentos de paz, reflexão, oração, quando fujo do ritmo das cidades. O templo mais famoso é o Wat Xieng Thong. Na primeira pagoda, à sua direita, tem a pomposa carroça do funeral do Rei Sisavangvong. Depois de andar pelo templo, não se acanhe e tente conversar com um dos monges. Nem todos falam inglês muito bem, mas dá pra se comunicar.

Se você só tiver tempo ou paciência pra um, vá neste. Mas Luang Prabang tem mais de 30 brilhosos templos reluzindo tons de dourado, todos lindos, como o Wat Vixoun e o Wat Sene.

 

Subida com vista da cidade

Ok, tem mais um templo que você precisa ver. Ele requer uma boa subida de escada, mas a vista lá de cima compensa. Suba o Monte Phousi pra ver vistas panorâmicas desta cidade que é Patrimônio Cultural pela UNESCO. Ela fica no centro da cidade, com entrada no meio do Night Market.

 

Visitar o Museu Nacional

É lá que você também verá arquitetura e decoração típicas (que lembram muito a Tailândia, afinal são meio irmãos) e conhecerá a história da família real.

 

Conhecer as diferentes etnias do Laos e suas respectivas vestimentas típicas no Centro de Artes Tradicionais e Etnologia 

Este é outro museu que vale a visita, pois é o único museu independente e sem fins lucrativos da cidade. Você conhecerá os diferentes grupos étnicos do país, os costumes e roupas típicas. O objetivo do museu é colecionar, preservar e expressar o estilo de vida e artes típicas do Laos. O museu também tem uma loja de artesanatos e um café. Adorei saber que uma brasileira tinha sido voluntária lá.

 

Ler um livro (ou ver um filme) tomando um chá ou vinho na livraria L’Etranger Books & Tea

Toda noite o L’Etranger tem mostras de filmes no andar de cima e embaixo você pode comprar, trocar, doar ou alugar livros. Celine, a querida proprietária Canadense francesa está sempre lá pra bater papo, dar dicas da cidade e contar histórias de como ela encontrou Luang Prabang anos atrás. E se você quiser procurar mais livros, tem a Monument Books também.

 

Fazer uma aula de culinária do restaurante Tamarind

A aula começa com uma visita ao mercado Phousy Market (menos turístico e mais afastado) pela manhã. Depois você vai de tuk-tuk pra uma casa fora da cidade com um lindo lago e barulho de rio no fundo para aprender receitas típicas do Laos. O Chef Chai é uma figura, com ótimo senso de humor e técnicas incríveis de culinária.

Se você não fizer a aula, vá de tuk-tuk até o Phousy Market de qualquer maneira, tem comida, verduras, acessórios de cozinha e vida local.

 

Ver arte na galeria ASIAMA

A galeria do fotógrafo Alain tem suas belas reproduções em preto e branco, pelas quais me apaixonei (e terei pequenas versões na minha casa) e outras peças de arte de toda a Ásia.

 

Ver fotos de Laos no Big Tree Café

O fotógrafo holandês Adri expões suas belas obras enquanto você pode degustar um prato Lao ou um café sob o gerenciamento de sua esposa.

 

Comprar artesanato que ajuda as comunidades locais na loja Ock Pop Tok

As peças são mais caras que no Night Market, mas pela qualidade do material, você sabe que é de outro padrão. A empresa visa mudar a vida das mulheres artesãs através do comércio justo. Eles também oferecem aulas de tecelagem e tem um pequeno hotel e café com o mesmo conceito.

 

Conheça os lindos lenços da Passa Paa

Criação da designer britânica Heather Smith, este estúdio de design têxtil tem produtos com lindas estampas. Também mais caro que o Night Market, mas são únicos e diferenciados. Feitos à mão, eles tem um estilo moderno e étnico.

 

Fazer trekking por vilarejos

Bom pra fazer exercício, superar um desafio e conhecer a vida nos vilarejos do interior, um dia de trekking é uma ótima atividade. Normalmente são de 8:30 da manhã até 3 ou 4 da tarde. Alguns são mais difíceis que outros, mas nunca é totalmente fácil – se prepare pra suar, subir e descer morros. Se for na época de chuva (julho, agosto e setembro), com certeza terá muita lama envolvida no processo e talvez dar um escorrego aqui ou ali, mas vale a pena. Eu fiz um trekking com a empresa Tiger Trail, conhecida por fazer “fair trekks” ou trekkings justos, apoiando comunidades locais. Você pode combinar com passeio de kayak e andar de elefante ou só fazer trekking que quase sempre tem um passeio de barco pelo rio.

 

Ver um desfile de moda cultural

O Hive Bar tem um famoso desfile de moda com roupas típicas de Laos. É turístico, pra “inglês ver”, mas você aprende sobre as vestimentas enquanto toma uma Beer Lao, então porque não? O bar também é conhecido por ter o melhor bacon da cidade, mas isto eu não sei dizer, bacon não é comigo.

Foto: divulgação

 

Visitar as cachoeiras Kuang Si e Tad Sae

Ambas são fora da cidade, então tem que ir de tuk-tuk e melhor se for em grupo pra baixar o custo. Kuang Si fica a uns 35km de Luang Prabang e Tad Sae a 20km. Leve roupa de banho pra entrar na água.

Kuang Si

Foto

Tad Sae

Foto

 

Fazer uma massagem

Viajar pela Ásia é sinônimo de indulgências e luxos baratos, como uma boa massagem. A cidade é cheia de casas de massagem de diferentes preços e qualidades. Alguns lugares recomendados é na Cruz Vermelha e no SPA Garden.

 

E devo dizer que tudo isso é embalado com a simpatia, ritmo lento e pureza do povo Lao. Como não amar?

 

Agora me diz, como não incluir o Laos no seu roteiro do Sudeste Asiático?

28 thoughts on “o que fazer em Luang Prabang, Laos

  1. Teté QUE INCRÍVEL ESTE POST! mE SENTI VISITANDO LAOS CONTIGO! dicas ótimas e fotos lindas! espero pode conhecer em breve! Muito legais as experiências pelas quais tem passado, são muito inspiradoras! beijos!

  2. Descobri seu blog a pouco tempo e estou adorando os posts. Gostei mais ainda quando vi que você é da Bahia. (tb sou de lá, mas moro no Rio a alguns anos)
    Com certeza vou pescar dicas aqui que vão me ajudar a organizar meu próximo roteiro. :)

  3. Tete, muito legal! eu estive há poucos meses na tailândia, camboja e vietnã e fiquei com o coração na mão por não conseguir incluir o laos no meu roteiro. adorei as fotos e os relatos! mais um incentivo pra voltar àquela região. bjos, rafa

  4. Muito bom o post!
    Irei para a asia em outubro e vou visitar tailiandia, cambodja, laos e vietna, para o laos reservei 1 dia para vietiname e 2 para luang prabang, isso é suficiente? Obrigado!!!!

    • olá! em Luang Prabang eu ficaria 3 noites e em Vientiane dá pra ficar só 1 dia, mas talvez fique cansativo, então eu ficaria 2 noites.

  5. Náo importa aonde você vá! Sempre haverá um olhar diferente. É o olhar curioso, sedento de saber e dE cultura. É o explorar no bom sentido. É tirar sumo da fruta da vida.

    • Oi Rê, fiquei 10 dias em Luang Prabang. Fiquei no Singharat Guest House em Luang Prabang. Limpinho, wifi, simples. mas eu pesquisaria perto do Rio, tem vários. Fui a Vientiane e Vang Vieng tb. Vang Vieng tem umas cachoeiras e umas caminhadas legais, mas não amei. Tem uma história meio triste com turistas jovens usando drogas por lá. Vientiane é ok, mas nada perto de Luang Prabang, eu ficaria 2 dias por lá. beijo

  6. que delicia!!!
    Tive que vender um rim, mas consegui incluir o laos no roteiro.
    Rapidinho, apenas tres dias, mas acho que vou aproveitar!

    A cerimonia baCi tu combinaste com o pessoal do hotel mesmo? Sabe se eles facem com “nao hospedes”?

    Estou ina PRÓXIMA semana, nao durmo mais de tao ansioSa que estou! E tueu blog só contriBui oara eu ficar mais louca para chegar logo!!!

    Obrigada!

    • “vender um rim” rsrsrs que bom, fico feliz! a cerimônia Baci do Amantaka é só para hóspedes, mas pergunte para empresas de tours ou algum guia, você deve conseguir em algum templo.
      boa viagem!

      • Aaaah, que penA.
        aMEI A CERIMÔNIA E O PASSEIO, QUE DEVE SER SÓ PARA HÓSPEDES TAMBÉM…
        e COMO NÃO POSSO VENDER O SEGUNDO RIM, NÃO VAMOS PODER NOS HOSPEDAR LÁ… HEHEHEH

        muito OBRIGADA

        PS: DESCULPA PELAS LETRAS GARRAFAIS, NÃO TO CONSEGUINDO ESCREVER MINÚSCULO AQUI… e PELO JEITO EU JÁ ESTAVA COM ESSE PROBLEMA ANTES A CONSIDERAR O PRIMEIRO COMENTARIO.. HEHE

        aBRAÇO

  7. Pingback: Cinco roteiros de viagem pelo sudeste asiático | 360meridianos

  8. oLÁ tETE,
    ADOREI SEU POST. VI QUE VC FICOU 10 DIAS POR LÁ MAS NÃO TEMOS TODO ESSE TEMPO. QUANTOS DIAS VC ACHA NECESSÁRIO PRA FAZER O BÁSICO?
    OBRIGADA E PARABÉNS,
    FE

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


× six = 6

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>