atrações

Istambul – dicas práticas e o que ver na cidade de dois continentes

Vou começar a falar de Istambul dizendo que é uma cidade que adoro. Esta foi minha terceira visita, hospedada com amigas, o que faz toda a diferença, tendo dicas de locais.

 

Mais do que belas mesquitas Otomanas e mercados enlouquecedores (de coisas maravilhosas), Istambul é a cidade de dois continentes, onde Oriente e Ocidente se encontram, entre o moderno e o antigo, o conservador e o temporal, o religioso (muito mais) e o profano.

 

O centro cultural da Turquia está em pleno desenvolvimento e por isso tem muito o que oferecer em termos de gastronomia, cultura, moda, decoração…

Unindo Ásia e Europa, separados pelo Bósforo, com vistas panorâmicas belíssimas, este contraste do antigo e do moderno pode ser visto na cidade antiga, Sultanahmet, com as mesquitas e palácios, e chegar no bairro de Karakoy e ver o Istanbul Modern, museu de arte moderna onde era um depósito de navios.

Vamos ao que interessa.

 

O que ver em Istanbul:

 

Ponte Galata – observe os pescadores no Golden Horn, ou “chifre dourada” (Haliç em Turco) a baía do Bósforo.

 

Eminönü (Spice Bazaar) – mercado de especiarias, nozes, queijo, doces e comidas deliciosas, um lugar de cheiros e cores.

 

Sultanahmet (cidade antiga) – região cheia de gente, turistas, vendedores, mas que no final da tarde, com as preces das mesquitas é contraditoriamente sereno. É onde estão as mesquitas e palácio do período Bizantino e Otomano.

 

Hagia Sophia (Ayasofya) – foi a catedral do Império Bizantino e mesquita do Império Otomano.

 

Mesquita Azul (Sultan Ahmet Camii) – a mesquita de 6 minaretes com arquitetura clássica Otomana.

 

Palácio Topkapi – com seu rico harém. Imponente, foi a residência dos sultões durante 400 anos enquanto regiam o Império Otomano.

 

Istanbul Modern – museu de arte moderna, para quem gosta deste tipo de arte, é imperdível. E tem um café com vista para o Bósforo para descansar e tomar um chá.

 

Grand Bazaar – um dos meus mercados favoritos no mundo, é quase um labirinto com centenas de lojas de artesanatos, joias, bijuterias, roupas, lenços, tapetes, almofadas, chás e uma variedade incrível de objetos decorativos. A palavra de ordem é barganhar ou negociar. Sente, tome um chá e negocie bem suas compras.

 

Ah, e não esqueça de desviar o olhar das compras no Grand Bazaar, e olhar pra cima!

 

Bósforo – vale a pena pegar um barco e ver Istanbul de outro ângulo.

 

Torre Galata – já foi prisão e dormitório, e hoje oferece uma das vistas mais bonitas da cidade, numa altura de 135 metros.

Atenção, a vista da Torre de Gálata é linda, mas igualmente bela de vários restaurantes e terraços da cidade (falarei sobre eles em um post separado). A torre tem restaurante e show de dança folclórica a um preço alto e um tanto turístico, por isso eu só iria pra ver a vista.

 

Palácio Ciragan – um palácio a um hotel de luxo homônimo, vá também para o terraço do hotel para tomar um chá e doces com uma linda vista para o Bósforo.

 

Palácio Dolmabahce – outra residencial imperial onde o sultão não poupou recursos para criar uma “casa” que rivalizasse com os palácios franceses.

 

Cisterna (Yerebatan Sarnici) – antiga reserva de água da cidade, é quase um palácio afundando. Colunas entre água, pouca luz e musica clássica, você se sentirá num cenário de filme, assim meio Fantasma da Ópera.

 

Ortakoy – bairro para andar e comer na beira do Bosforo, pricipalmente a rua Muallim Naci Caddesi (a palavra caddesi em turco significa rua).

 

Bebek – outro bairro legal (e menos turístico) para passear e comer.

 

Para ver arte…

Beyoğlu – o bairro é uma espécie de Soho de Istanbul, grosseiramente comparando. Tem muitas galerias de arte modernas, abrigadas em prédios históricos. Tem cafés bem decorados para descansar as pernas da caminhada e lojas vintage. Farei um post separado só com museus e galerias de arte.

 

Algumas dicas práticas sobre Istambul:

  • Leve roupa cobrindo joelhos e cotovelos para visitar as mesquitas e uma pashmina ou lenço para colocar em cima da roupa. Algumas mesquitas oferecem um lenço comprido, mas se quiser leve o próprio.
  • Se for no verão (julho e agosto), se prepare para o calor, beba bastante água, roupas leves e sapatos confortáveis. A melhor forma de conhecer a cidade é andando pelos bairros.
  • Os taxis amarelos são relativamente baratos, mas a noite cobram o dobro. Se o taxímetro não estiver ligado, pegue outro taxi. Cuidado com o troco nos taxis, eles as vezes são malandros e dão o troco errado.
  • Gorjeta – é esperada uma gorjeta de 10% para serviços.
  • Moeda: Lira Turca. Em alguns lugares são aceitos dólares e euros. Tem casa de câmbio por toda a cidade antiga, mas pesquisa primeiro a taxa. Você pode tirar dinheiro em caixas eletrônicos também.
  • Na cidade antiga, nos redores das mesquitas e mercados, cuidado com seus pertences e com pessoas te abordando, perguntando se quer ajuda, se quer comprar isso ou aquilo.

3 thoughts on “Istambul – dicas práticas e o que ver na cidade de dois continentes

  1. Post bem completo para o sightseeing. Me lembro de um lugar com vista Linda no lado oriental…esqueci o nome. Acho q foi o unico lugar no lado oriental q visitei, fora um restaurante onde almocamos. Bjoooo

    • Olá Robson,

      não se paga para entrar no Palácio Ciragan, ele é um hotel e você pode tomar o chá no salão ou na piscina (recomendo).

      abraço

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


8 + = fourteen

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>