africa

a região vinícola da África do Sul

Franschoek, Paarl e Stellenbosch formam a região vinícola, ou  melhor, enogastronômica da África do Sul.

A história de Franschoek se estende há mais de 300 anos atrás, na França nos anos 1600. Esta era uma época de perseguição religiosa pela católicos que regiam o país e oprimiam os protestantes. Consequentemente muitos protestantes se tornaram refugiados em outros países europeus, um deles sendo os Países Baixos (Holanda). A Dutch East India Company, maior multinacional da época enviava navios da Holanda para a Índias e tinha uma pequeno colônia na ponta do que hoje é a África do Sul, a Cape colony, ou colônia do Cabo.

Este franceses meio holandeses se estabeleceram neste micro clima mediterrâneo em plena África e transformaram este grande ermo em um dos vales mais bonitos do mundo.

Franschoek, ou “canto dos franceses” em holandês abriga vinícolas e restaurantes maravilhosos.

Mas não é só em Franschoek que ficam estas delícias. Em Praal e Stellenboch também tem recantos de degustação.

Mas então, quais vinícolas visitar?

Em Praal

Spice Route – pra degustar vinhos e chocolates.

Há séculos atrás, para degustar sabores exóticos significava esperar meses para os nvaios voltarem das Índias com especiarias. É neste contexto que a vinícola Spice Route não só ganhou o nome, mas também com o objetivo de ser uma viagem de sabores do mundo moderno.

A Spice Route é uma produtora artesanal com vinhos, chocolates e cervejas. Entre na viagem indulgente de degustar vinhos com chocolates com vista para as montanhas. Os vinhos têm nome originais como Chakalaka e Malabar, bem africanos.

O ambiente é delicioso, um jardim com mesas ao livre, e uma vista maravilhosa, dá até pra ver a Table Mountain. É informal, tranqüilo e belíssimo. Uma degustação perfeita. Os chocolates DV artesanais fazem o par perfeito para os vinhos.

 

Em Stellenbosch

Delaire – uma vinícola, restaurante e hotel Relais & Châteaux com obras de arte e jardins espetaculares.

É uma das vinícolas mais deslumbrantes da África do Sul. Tem um hotel e SPA de luxo. Vale a visita, nem que seja para uma degustação ou almoço. A vista é realmente linda e os jardins e a propriedade tem obras de arte espalhadas, da coleção do Sr. Graff. Não perca o Laurence Graff Reserver 2009.

 

Remhoogte – uma vinícola boutiquea poucos quilômetros de Stellenbosch, com vista para as montanhas Simonsber. Aqui você degusta vinhos em um jardim com animais selvagens, como impalas e zebras andando pela fazenda.

 

Warwick – esta vinícola tem degustação de vinhos com pique-nique gourmet, na beira do rio, vendo as montanhas em um belo gramado. Tem vinhos no estilo Bordeaux. A esposa do dono estudou na França pra fazer vinhos parecidos com os de lá.

 

Em Franschoek

Moreson – o vinho que tem um cachorro no rótulo surpreende, o Miss Molly.

A vinícola tem um restaurante muito bom, o Bread & Wine, ótimo para um almoço aconchegante embaixo das videiras.

O chef, Neil Jewel, é especializado em charcuterie e o restaurante é “irmão” do The Tasting Room, o melhor de Franschoek. A tabua de frios e antipastos é deliciosa. Também recomendo o crumble salgado de abóbora.

 

Haute Cabriere – degustação ao ar livre nas mesas de barris, com uma bela vista da região, decorada por roseiras. O lugar é muito bonito, não perca o lago logo ao lado da degustação.

Os vinhos em geral são leves, pouco encorpados, femininos, para dias de verão. O vinho de sobremesa Ratafia surpreendeu, este sim, eu levaria pra casa.

 

Chamonix – a degustação é embaixo de uma árvore, em mesas de madeira. Comparado com as outras, não tem nada de especial, não tem uma vista tão bonita, mas é pequena e aconchegante. O melhor veio por último, o tinto Troika.

 

Grande Provence – uma vinícola com galeria de arte e restaurante. Estou no céu? O paisagismo é belíssimo, decorado com obras de arte.

Pra chegar até a casa de degustação, tem um curto passeio de caminhão.

Você pode fazer a degustação ao livre neste jardim delicioso ou na galeria de arte.

A vinícola conta uma galeria de arte completa.

O restaurante e o vinho são premiados. Degustação obrigatória. O pão com nozes e frutas secas é divino. O gravlax de salmão estava ótimo, perfeito com o sauvignon blanc. O shiraz 2008 é premiado e foi meu preferido.

 

La Motte – outra belíssima vinícola com um dos melhores restaurantes da região. Tem uma loja de produtos completa. O restaurante é super agradável, com linda decoração. O frango caipira estava divino. O pão caseiro também delicioso. Pra terminar o sorvete de praliné e frutas vermelhas. Refeição maravilhosa. Recomendo pra almoço.

O “straw wine”, vinho de sobremesa, também é ótimo.

 

Uma curiosidade – muitas das vinícolas tem plantações de rosas, principalmente perto das videiras, não só pela beleza, mas porque se as rosas adoecem, é o primeiro indício que as videiras podem estar contaminadas.

Dicas práticas:

Beber e dirigir não é uma boa ideia, nem pela segurança, nem pelas leis da África do Sul.

Então como se locomover pelas vinícolas?

As opções são:

1) alugar um carro e ter um motorista da rodada (quem vai ser o coitado?)

2) alugar um carro com motorista/guia – a melhor opção, pois você tem liberdade e vê não só as vinícolas em Franschoek, mas em Paarl e Stellenboch também e consegue ver muito mais durante o dia.

3) em Franschoek tem um sistema de ônibus e tram (trenzinho) que vai para algumas vinícolas, mas nem vai pra muitas nem vai pra Paarl e Stellenboch.

Você pode fazer uns dias com serviço de tour com motorista e outro com o tram.

Meu serviço de carro com motorista/guia foi da empresa Propel África que tem um ótimo serviço, recomendo – bons carros, guias simpáticas e muito know how.

2 thoughts on “a região vinícola da África do Sul

  1. Pingback: Blog Awards: Os Melhores Blogs e Artigos de Viagem em Abril/2013 | HostelBookers (PT) Blog

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


five + 7 =

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>